Crioterapia e Compressão Pneumática Intermitente para Trauma de Tecido Mole

11 de julho de 2017

O TRAUMA DE TECIDO MOLE inicia uma resposta inflamatória que aumenta a temperatura do tecido local. As características da inflamação incluem aumento de fluxo sanguíneo, acúmulo de edema e passagem de leucócitos nos espaços dos tecidos. Os leucócitos tem papel na remoção de agentes infecciosos e de restos de tecido, mas podem também ser responsáveis
por dano celular e necrose.1 A terapia de proteção, descanso, gelo, compressão e elevação [protection, rest, ice, compression,and elevation] (PRICE)é uma abordagem geralmente aceita para o tratamento de trauma de tecido mole e que modifica a resposta inflamatória. Pesquisas confirmaram os benefícios da crioterapia e compressão estática externa, mas o uso de compressão pneumática intermitente (CPI) é um tratamento relativamente novo para trauma de tecido mole. Este relatório discute o valor potencial de combinar a crioterapia com CPI para facilitar o processo de cura.

Crioterapia
A crioterapia há muito tempo reconhecida como benéfica no tratamento pós trauma trazendo um efeito analgésico de curto prazo, redução de atividade metabólica e redução de demanda de oxigênio celular (Tabela 1).2-11 Uma redução significativa de atividade enzimática local e uma vasoconstrição profunda ocorrem em resposta à aplicação de frio.
O efeito analgésico da crioterapia tem sido atribuído a uma combinação do decréscimo de produção de mediadores da dor e propagação mais lenta de sinais neurais da dor.12
O metabolismo pode ser reduzido em mais de 50% o que facilita a difusão do oxigênio nos tecidos lesionados. O âmbito de movimentação de juntas melhora através da supressão da aferência excitatória de fuso de músculo.

Os leucócitos têm papel central na resposta inflamatória à lesão de tecido mole. A aplicação de crioterapia mostrou reduzir o número de leucócitos que aderem à superfície endotelial de uma capilar, o que resulta em menor migração de leucócitos para dentro dos tecidos.13 Resultados de pesquisas in vivo sugerem que a crioterapia reduz a disfunção endotelial pós-trauma que ao fim reduz a resposta inflamatória.

Compressão Pneumática Intermitente
A utilização de CPI tem se demonstrado eficaz para a prevenção de formação de edemas, aumentando o fluxo de sangue e estimulando a cura do tecido.4,9,14 Apesar da compressão estática ser uma terapia eficaz para a redução de edema a compressão intermitente otimiza a drenagem linfática.15,16 CPI pode acelerar a recuperação seja de excesso de esforço físico seja de lesão, especialmente se o atleta não pode gerar contrações musculares ritmadas. A melhoria de função linfática acelera a cura através da remoção do edema de tecidos moles atingidos.

Função do Sistema Linfático
Edema é causado pelo vazamento de capilares que se tornam hiperpermeáveis como resultado da ação de media- dores inflamatórios em células endoteliais. Os edemas causam congestão em tecidos reduzindo a disponibilidade de oxigênio na mitocôndria assim reduzindo a energia disponível para operar a bomba de sódio-potássio. O efeito osmótico produzido pela falha da bomba sódio-potássio faz com que o volume fluido da célula danificando o seu cito esqueleto produzindo fragmentação do DNA no núcleo da célula. Confiar na glicólise anaeróbica para produção de energia diminui o pH do ambiente intracelular que em última instância cria acúmulos de cromatina nuclear. A restauração do fluxo linfático normal é essencial para que o processo de cura progrida da etapa aguda à etapa de reparo. Se o fluxo linfático for otimizado em tecidos danificados os processos metabólicos normais podem ser restaurados mais cedo (Tabela 2).

O acúmulo de edema rico em proteína dentro do espaço intersticial pode levar ao desenvolvimento de tecido cicatricial menos elástico que o tecido normal colagenoso
.19 CPI mostrou ser eficaz na redução de edema pós traumático.19 A redução de edema no interior de tecidos lesionados demonstrou melhorar o acesso de oxigênio.18 McGeown et al.15,16 concluíram que o fluxo linfático era diretamente proporcional à magnitude da compressão intermitente e que pressão tão baixa quanto 20 mmHg era eficaz no aumento da drenagem linfática.

Fluxo Sanguíneo Melhorado
CPI também tem provado melhorar o fluxo sanguíneo da área tratada através do estímulo da produção do óxido nítrico pelas células endoteliais. O CPI aumenta a velocidade do fluxo sanguíneo e cria tensão de rompimento nas paredes dos vasos sanguíneos, o que provavelmente é o mecanismo fisiológico para melhor produção de oxido nítrico.3 O aumento da produção de oxido nítrico também inibe a agregação de plaquetas e aderência neutrófila, ambos sendo importantes na criação de lesões hipóxias secundárias. O óxido nítrico também é um neurotransmissor que pode influenciar o tom vascular assim aumentando o fluxo sanguíneo.

Cura de Tecidos
O CPI aparenta ter um efeito terapêutico que faz melhorar o tecido conectivo.14 Aplicações cíclicas de pressão externa aumentam fluxo de sangue arterial, reduzem a pressão venosa e a estase venosa.14 A compressão intermitente demonstrou aumentar o crescimento interno de tecido neurovascular dentro de um tendão de Aquiles de um modelo em ratos.14 Mudanças metabólicas em tecido danificado que reduzam a inflamação, limitem dano a tecido oxidativo, restaurem equilíbrio osmótico normal e restaurem o fluxo de sangue capilar normal também podem ser feitas através do IPC.
Crioterapia com Compressão Estática
Os benefícios separados da crioterapia e compressão externa parecem ser amplificados quando as duas modalidades terapêuticas são usadas em conjunto. A compressão externa ajuda a restaurar os processos fisiológicos normais dentro do tecido danificados e aumenta a profundidade da redução de temperatura alcançada pela aplicação de frio à superfície do corpo.1,20-24 Ambos o ritmo e magnitude do resfriamento de tecidos são aumentados pela terapia combinada comparada ao efeito da aplicação a frio sem compressão.25 Uma maior magnitude de compressão está associada com tempo menor para a redução de um dado nível de temperatura.5

Conclusão
A literatura contém evidencias de que a resposta inflamatória em tecido mole é modificada de uma maneira que promove a cura através da aplicação combinada de crioterapia e compressão. O efeito terapêutico da crioterapia é aumentado pelo uso, ou de compressão estática externa ou compressão pneumática intermitente. É necessária mais pesquisa para comparar os diferentes modos de aplicação de compressão em conjunto com a crioterapia.

Confira esta matéria na integra clique aqui.

    Leave a comment